Você está aqui: Home

Artigos

34º dia - 17/09/2012 - 2º Dia na BR 319

Acordamos hoje bem cedo e Dona Mocinha já estava com o café pronto. Mesmo tendo programado fazer apenas 250 kms para hoje chegando aos Catarinos, sabíamos que não seria moleza e não poderíamos dar chance para o azar. Pois numa estrada dessas tudo pode acontecer. Arrumamos nossas trouchas nos despedimos de Dona Mocinha e  do Seu Raimundo e seguimos viagem rumo a Fazenda dos Catarinos.  segue abaixo...

 a
Quando saimos hoje fotografamos mais uma coisa normal por aqui, as pessoas indo trabalhar com cartucheiras penduradas. A propósito, são muuuitas fotos, e vou colocar só algumas aqui. caso queiram olhem na seção fotos que tem muitas e em melhor resolução.
a
Na noite anterior choveu muito, e tinha muita água na estrada, uma verdadeira armadilha, quando menos esperávamos aparecia uma cratera cheia de água. Ai começou a seção de tombos, do Renan, rsrsrs. Deixamos um fotógrafo só para ele hoje.
a

a

a
Hoje apareceu muitas pontes daquelas um tanto perigosas, tínhamos que ter muita atenção para passar por elas, o grande problema é que aos poucos vamos pegando confiança, e são nesses momentos que pode acontecer os acidentes.
a


a
Muitas vezes tivemos que arrumar as tábuas para podermos passar.
a

a

a
A BR 319, digo, a trilha 319 está muito fechada na maioria dos trechos, com muitos buracos e poucos lugares com sombra, apesar de estarmos dentro da floresta.  De tão quente que estava, como eu e o Nika estávamos um pouco a frente, resolvemos parar numa lagoa para se refrescar, mas não deu certo, tinha muito lodo para entrar. Para nossa surpresa, na volta, quando estávamos chegando perto da moto do Nika percebemos que seu pneu estava furado. Como já estava quente, a coisa piorou tendo que sentar naquele asfalto caliente. Mas tudo certo, consertamos o pneu e seguimos viagem.
a
Apareceram ao longo do trecho alguns atoleiros, o que dava uma idéia do que seria andar por essa rodovia com chuva, de como seria o comportamento das nossas motos pesadas nessa situação. Descobrimos que as motocas não se comportam, rsrssr. Não adianta nós mandarmos elas para um lado que elas vão para o outro. A dianteira é muito pesada e difícil de controlar. A torcida era para que não chovesse.
a

a

a
Subir nas pontes com os pneus cheios de barro era um perigo constante, tínhamos que redobrar a atenção, e muitas vezes nos ajudar.
a

a
Até então estamos com muita sorte, porque não pegamos chuva durante a viagem, apenas estrada molhada de chuva do dia anterior.

Chegamos a Torre da Embratel do Km 360 e paramos para tomar uma água gelada, porque passamos o dia tomando água quente que estávamos levando junto, e que por sinal estava acabando. Na torre encontramos um motociclista de Franca que estava viajando com sua filha, ela já tinha abandonado a moto a uns 50 kms atrás, e estavam procurando uma camioneta para levar a moto até Manáus.
a

a
Seguimos viagem e logo depois paramos para fazer um lanchinho a beira da estrada, se foram as maças, o resto das bananas e algumas barras de cereais, tudo isso com água quente para beber.
a
 A trepidaçào é muito grande, muito resto de asfalto quebrado, cascalho da base e cabeceira de pontes. E aquele probleminha tradicional da BMW GS 1200 começou a aparecer, quando os proprietários reclamam nas concessioárias eles dizem ser normal quebrar o suporte do paralama traseiro devido a excesso de trepidação, talvez eles tenham esquecido que a GS é uma moto Big Trail produzida para andar fora da estrada e consequentemente com trepidação.
Muito fácil falar que é normal, falam porque que não são eles que estão a 6 ou 7 mil kilômetros de casa e tem que ficar carregando pedaço de moto para casa na garupa. É incrível como os engenheiros da BMW não são capazes de resolver um problema tão banal que afeta TODAS as motos que viajam em estrada de chão. A propósito, caso realmente não sejam capazes, perguntem ao meu amigo Jorge, da Asturias em Cali na Colômbia, ele não é engenheiro, mas é suficientemente inteligente para produzir um suporte que não quebra. Eu comprei um, e foi o único que não quebrou.
ar
A rodovia tem alguns pedaços de asfalto em que a floresta esta engolindo aos poucos, tornando a trilha bem fechada.
a

a

a
Sempre por onde andamos compramos algumas coisinha de recordação, então porque não levar um pedacinho da BR 319 para lembrar da aventura.
a

a
Paramos várias vezes para tomar água e curtir um pouco mais o nosso passeio pela 319.
a
Numa das pontes quase destruídas que encontramos aconteceu um pequeno incidente, uma motoca depois de passar a ponte acabou batendo em outra arrancando fora a maleta lateral, e dando um tombinho nela. Quebrou o suporte da maleta e acabamos tendo que amarrar as malas em cima do banco das motos. Tudo arrumado seguimos viagem e estávamos pedindo chuva de tão quente que estava.
a

a
Já era umas 3 da tarde quando chegamos na Fazenda dos Catarinos, assim que o chamam por aqui, porque vieram da região de Ibirama em Santa Catarina.
a
Eles são muito conhecidos no mundo dos motociclistas assim como a Dona Mocinha em Igapó Açu, por ser um ponto de apoio aos motociclistas. Estávamos com muita sede, bebemos água quente o dia todo e já estávamos sem, nos deram uma água geladinha maravilhosa que nos renovou os ânimos.
a
Os Catarinos são pessoas muito acolhedoras, nos ofereceram pouso se quiséssemos. Mas resolvemos seguir viagem até Realidade a 100 kms. Na hora da saída percebi um parafuso quebrado no suporte do meu Top Case, perdemos uns 15 minutos até consertar. Os Catarinos nos arrumaram também 20 litros de gasolina.
a
Andamos uns 50 kms depois da fazenda dos Catarinos e começou uma chuvinha que nos primeiros 200 mts foi maravilhosa. Massss depois percebemos o porquê que todo mundo fala que se chover não adianta insistir em transitar por aqui, principalmente com motos como as nossas, muuuito liso, a estrada abaulada fazia com que fosse impossível ficar no meio da estrada.
a
E a chuva caia forte, tentamos andar por fora da estrada mas tinha madeira caída e não foi uma boa idéia, na primeira tentativa encontrei uma madeira atravessada no meio do capim e levei um pacote. Percebemos que era uma grande burrice tentar seguir em frente, até porque já era 5 horas da tarde e faltava em torno de 50 kms até o povoado de Realidade. Por aqui nem a onça consegue andar na estrada quando chove.
a
Andamos menos de 500 mts com chuva forte, e eis que aparece uma casa a uns 100 mts da estrada, crescemos os olhos nela, nesse momento tinha motos paradas no meio da estrada e outras na capoeira na beira da estrada. Fomos ver se tinha alguém na casa, encontramos um casal muito simpático, o Diogo e a Gisele, que estavam cuidando da casa e prontamente nos ofereceram abrigo.
a
O Diogo abriu o portão e lá fomos nós sem cerimônias.
a

a

a
Chegamos na casa e mesmo debaixo de chuva fomos baixando as maletas.
a
Estacionamos as motos  e aqui estamos. Nada como um telhado para nos abrigar da chuva, logo que chegamos a Gisele foi logo passando um café quentinho para nos aquecer.
a
Pose para recuerdos.
a
Agora a Gisele esta fazendo uma janta para nós enquanto eu mais uma vez estou fazendo o diário num lugar inóspito, e logicamente com meus parceiros patetas fazendo palhaçadas do lado. Aqui também a energia vem de geradores que logo será desligado para economizar gasolina.
a
E a cantoria começou.
a
Agora são quase 8 horas da noite, nossas redes já estão prontas. Ainda esta chovendo e não sabemos a que horas vamos conseguir sair amanhã cedo, sabemos que o trecho pela frente não é fácil de andar, praticamente impossível se estiver molhado, vamos ver no que dá.
a
Até amanhã, se conseguirmos chegar a Porto Velho vou postar os diários atrazados.  Toco

Comentários  

 
Ita
0 # itapoaIta 19-09-2012 00:03
coitada da poderosa rsrsrsrsrssssss sssssssssssssss ssss
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
Alcir Bonatto
+1 # RealezaAlcir Bonatto 19-09-2012 01:47
Gurizado que FANTASTICO isso nem estou acreditando. mas vão com Deus porque so ele pode acompanhar vcs. nos aqui estamos rezando por vcs para tudo dar certo. Boa Viagem.
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
mancha
0 # Fco. Beltrão(PR)mancha 19-09-2012 17:42
Ô loco meu........O baguio é doidão mesmo hein.

Não ia dar para a Montana hein Nika... Força nas perninhas e fé em Deus.
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
Ita
0 # RE: 34º dia - 17/09/3012 - 2º Dia na BR 319Ita 19-09-2012 23:19
tinha que ser o Nika o fura fura pneu heheheh

desvia os prego home
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
Clóvis Larrabure
0 # Franca - SPClóvis Larrabure 16-10-2012 16:54
Me encontrei com vocês na Torre Brasil. Vejam a minha viagem em http://amazonasdemoto.blogspot.com.br.
Abraços e nos vemos por aí.
Clóvis Larrabure
Responder | Responder com citação | Citar
 

Adicionar comentário / Add Comment / Añadir Comentarios

Gostou do nosso site? Deixe seu comentário! Ele será publicado após a aprovação.


Voltar ao Topo